Elias

Elias é mais um sinal de uma geração que foi educada na imensa fonte pop-rock, com derivações mais acústicas e folk no seu caso específico, mas cujas referências assentam na língua que Camões ofereceu ao mundo. E, como todos bem sabemos, “amo-te” e “i love you” não rimam da mesma maneira.

Álvaro Costa enquadrou-o bem quando o apresentou, num dos seus programas da RTP, como alguém “a meio caminho entre António Variações e os Rolling Stones”, um amplo terreno que Elias explora com autoridade, inteligência, humor e refinamento em Talvez Queiras Ficar, o seu trabalho de estreia em formato grande.

Vindo do Porto, terra de muitas mais referências evidentes, de Rui Reininho e Manel Cruz em diante, Elias conquistou para a produção do seu primeiro álbum Nuno Mendes, homem que já assumiu a mesa de mistura em trabalhos de Best Youth ou Salto e que garante aqui a dose certa de século XXI. Pelos recantos melódicos e rítmicos do álbum passam depois experientes convidados como António Serginho (Retimbrar, Foge Foge Bandido), Eurico Amorim (Supernada, Pedro Abrunhosa), Tito Romão (Salto, Best Youth) e o saxofonista João Guimarães.

O trunfo principal, no entanto, talvez esteja mesmo na ponta da caneta e da língua de Elias: canções com alma, sem serem fadistas, com poesia, sem serem difíceis, com ideias novas, sem serem complicadas. Canções que têm estofo de rádio, que conseguem pôr-nos a sorrir ou a pensar ou até a fazer tudo isso ao mesmo tempo. Já o conhecíamos de temas como “Cientista Profissional” ou “Quem te Disse?”, mas na sua bagagem há muitas outras pérolas prontas para serem descobertas pelos nossos ouvidos. “Talvez Queiras Ficar” será talvez a primeira que todos vamos aprender: antecipa já em Abril a edição do álbum.

A capacidade de escrita, de surpresa, de interpretação, tem outros bónus em Elias, que também imagina e realiza vídeos, sempre com conceitos que apanham os nossos olhos desprevenidos e se revelam sintomas de uma mente irrequieta e criativa, que acredita que não há forma que não se encaixe. Basta um bocadinho de jeito. E alguma arte. Ponham o disco a tocar: talvez queiram ficar

Onde Comprar

Voltar ao Topo ↑