Rodrigo Cuevas: Trópico de Covadonga Tour

Disponibilidade: Todo o Ano (Sob Consulta) - Disponibilidade para Portugal e Comunidades Portuguesas

Para contratação: antoniocunha@uguru.net | carmocruz@uguru.net
miguelfurtado@uguru.net | nunosantos@uguru.net

TRÓPICO DE COVADONGA TOUR – O PROJETO

 

A apresentação de Rodrigo Cuevas é clara: “Agitação folclórica e eletrónica, estrela do campo, humor, erotismo elegante, hedonismo e celebração dos direitos inegociáveis”. Cuevas faz parte de uma nova geração de artistas espanhóis que procura na tradição os argumentos para apresentar ao futuro. Com a ajuda do conceituado e ultra-requisitado produtor Raül Refree (Lina, Rosalía ou Lee Ranaldo são alguns dos artistas com que trabalhou recentemente), Rodrigo Cuevas afirmou uma visão musical singular e moderna, que casa elementos do flamenco e de outros folclores espanhóis com toques de eletrónica e outros elementos contemporâneos.

Trópico de Covadonga é o nome da digressão que tem arrecadado aplausos efusivos por toda a Espanha (e não só…), cruzando, além da música, coreografias e projeções vídeo num envolvimento multimédia de perfeito arrojo. A base é o álbum produzido e cocomposto por Refree, Manual de Cortejo, que saiu no final de 2019 e que recebeu alguns dos mais importantes prémios da crítica e da indústria do país vizinho. Artista singular com música exótica, sensual e avançada. Uma combinação irresistível que se volta a apresentar em Portugal depois do sucesso da estreia no Misty Fest 2020.

Vídeo

 

Voltar ao Topo ↑

Áudio

Voltar ao Topo ↑

Fotos

 
Voltar ao Topo ↑

Imprensa

«O que se viveu no Museu do Oriente, em Lisboa, foi uma comemoração da liberdade (de todos os jeitos e feitios), mesmo que não se tenham içado bandeiras; e sem esquecer todas as condicionantes da situação actualRodrigo Cuevas tem uma fórmula vencedora nas mãos e é possível que a aldeia seja demasiado pequena para que ela seja apresentada no seu esplendor total.»
Alexandre Ribeiro, Rimas e Batidas 

«No final do concerto de Lisboa, saímos da sala e os ecos da “Muiñeira da Filla da Bruxa” continuaram a encher os corredores do Museu do Oriente. Foi um sucesso e o início daquela que esperamos ser uma longa e frutífera relação entre o artista e o nosso país.»
Bernardo Crastes, Comunidade Cultura e Arte 

 Ler entrevistas:
Ler reportagens de concertos:

 

Voltar ao Topo ↑

Área Profissional